No mundo das finanças pessoais tudo parece ser muito simples e o resultado sempre extremamente positivo. Grande parte da literatura sobre o assunto trata com a simplicidade de que bastam algumas pequenas atitudes, organização e execução para obter um resultado extraordinário, mas na prática muitas vezes é bem diferente. É fato que resultados extraordinários emergem de atitudes ordinárias, mas apenas quando estes são realizados em sintonia com algo maior, maior até do que o seu planejamento financeiro pessoal.

Não é segredo para ninguém que devemos gastar menos do que as receitas, comprar na baixa e vender na alta (mostre-me alguém que faz isso com sucesso… Ainda não conheci ninguém…), guardar dinheiro para aposentadoria e investir com qualidade. No entanto, apesar de conhecer “a receita”, muitas pessoas ainda negligenciam o contexto, os aspectos psicológicos e a especificidade de cada história.

Dentro de um planejamento, lidamos com milhões de variáveis, as quais podem mudar completamente os rumos da vida, eis então a importância de um PLANEJAMENTO de vida, algo contínuo e dinâmico, diferentemente de um PLANO de vida, muito mais rígido e estático.

Recentemente tive a oportunidade de ajudar um casal em que começamos o planejamento financeiro com algumas pequenas dívidas pessoais, dentre elas: cartão de crédito, financiamento do apartamento e carro e crédito pessoal.

60% da renda da família era proveniente do salário do marido, gerente de uma grande empresa e outros 40% da esposa, profissional autônoma. Das despesas, 40% eram destinadas ao pagamento de dívidas e financiamentos e os outros 60% para gastos frequentes, não restando nada para investimentos… Pior ainda, em alguns meses faltava dinheiro.

Nos primeiros meses conseguimos otimizar diversas despesas, reduzir desperdícios, renegociar dívidas mais caras, criar uma pequena reserva de emergência e transformamos a situação inicial em um superávit de R$ 3.000 mensais para investimentos e demais projetos da família. Todavia para alcançar estes resultados não basta um simples corte de gastos, mas primeiramente entender as causas do endividamento, os sonhos de curto, médio e longo prazos, criar novos hábitos de consumo inteligente e muita reflexão, conversa e matemática. Repare que escrevi “nos primeiros meses”, mas este processo todo levou cerca de 7 meses para ser construído. Como gostamos de dizer, um dos “mantras” da LIFE: Preferimos dar um passo na direção correta, do que correr para a direção errada.

Quando tudo parecia caminhar bem, o marido foi surpreendido com a perda do emprego. No mês seguinte a renda da família cairia 60%, não tendo dinheiro nem para pagar seus gastos frequentes, muito menos as dívidas.  Tivemos que revisitar todos os gastos, renegociar dívidas, vender um dos carros e postergar a viagem de férias. Elegemos novas prioridades, estudamos novos possíveis caminhos e soluções.

O grande desafio nas finanças pessoais é estar preparado para lidar com os contratempos ao longo da vida, sem abdicar dos prazeres da liberdade financeira. Temos que estar atento à todas as possibilidades, não apenas de sucesso, mas principalmente de fracasso. Compreendendo o “o quê” pode dar errado, conseguiremos entender muito melhor o “como” fazer dar certo.

Errar nas finanças pessoais não é apenas perder rentabilidade, contrair dívidas e gastar com desperdícios. É também não compreender que o dinheiro é um instrumento para a realização e a construção da sua melhor versão, sabendo lidar com as adversidades, projetar o futuro e viver o presente. Cada decisão submerge a renúncia de todas as outras, algumas conscientemente, outras que sequer reconhecemos.

A renúncia não é um processo fácil, não se trata de um “caminho fácil de ser caminhado”, mas acredito que a jornada é muito mais eficiente quando realizada com a ajuda de um guia, e é este o papel de um PlanejadorLife. No caso de meus clientes houve uma legítima opção da família pelo protagonismo rumo a melhor versão de si mesmo, por isso, na ocorrência de uma adversidade como a perda de renda, a família estava preparada e planejada para as opções que precisaram fazer.

Coisas podem dar errado (e provavelmente irão, vez e outra, em grau maior ou menor), mas estar planejado e ter alguém que te lembra do protagonismo serão instrumentos fundamentais para que você olhe para o futuro com inspiração e não para a situação com desespero.

Conte com o trabalho do seu PlanejadorLife. Estamos em constante treinamento, preparação e estudo para lhe subsidiar com conselhos rumo a sua melhor versão e dentro de seu contexto de vida. Ninguém vence sozinho, precisamos estar sempre rodeados de boas pessoas e por isso conte com a LIFE para, dando errado, dar certo!

 

Com carinho,

Luiz Fernando Schvartzman, CFP®

PlanejadorLife – Partner

 

Nota do editor: Acreditamos que um PlanejadorLife é um guia e isso faz bastante sentido quando você se posiciona como o protagonista de sua narrativa de vida. Este protagonismo deve servir a sua visão para a melhor versão do que a sua vida pode ser. Deseja conhecer mais sobre isso e fazer parte de um movimento de pessoas intencionais? Clique aqui e leia o manifesto Uma Nação em Sua Melhor Versão