Um peixe fora d´água. É assim que se pensava que qualquer planejador financeiro brasileiro se sentiria quando fosse participar pela primeira vez da conferência de planejamento financeiro pessoal da Financial Planning Association – maior associação de planejadores financeiros certificados do mundo e, pelo menos, 50 anos a nossa frente no ramo de planejamento financeiro. A grande maioria de fato se sentiria assim? Sim. E quanto a nós, da LifeFP.? Acredito que não.

O mercado americano, quando o assunto é planejamento financeiro, está realmente muito a frente da nossa realidade. Para o cidadão americano, ter um planejador financeiro auxiliando a família com relação a qualquer tomada de decisão é a mesma coisa que ter um dentista cuidando da saúde bucal de todos de casa. A profissão está tão inserida dentro do mercado financeiro que lá se discute alguns tópicos que ainda parecem fora de nossa realidade. Isso tudo, a meu ver, é totalmente normal, afinal a economia americana é muito mais madura do que a brasileira.

Entretanto, essa conferência serviu para que eu pudesse constatar algumas questões em relação ao futuro da nossa profissão no Brasil. Uma delas é que será questão de tempo para que a profissão de planejador financeiro fique mais conhecida para a sociedade de um modo geral. A geração Y brasileira (nascidos entre 1970 e 1990) tem percebido a mudança da nossa economia e que ao não planejar as finanças e a vida, acabará deixando de surfar a onda da qualidade de vida no presente e no futuro. Claro, esse aumento de percepção ainda está longe do ideal, mas creio que só ficará mais evidente conforme os anos forem passando.

Outra questão que pude perceber é que planejamento financeiro nos EUA, em sua grande maioria, é planejar o próprio dinheiro. Nada de errado nisso e, obviamente, é uma das grandes questões para conquistar sucesso em um planejamento financeiro de verdade. O mercado brasileiro tende a crescer muito ainda nesse quesito: avanços em tecnologia, aumento de competitividade entre produtos financeiros, aumento de corretoras de investimentos, diversidade de opções para o investidor e por aí vai. Esse mercado nos EUA está saturado e o discurso das instituições parece não oferecer nada de diferente.

A terceira questão que mais me chamou a atenção na conferência foi a mais especial e de longe a que me deu mais confiança para seguir o caminho que trilhamos na LifeFP. O mercado de planejamento de vida nos EUA existe sim, porém, parece que está um pouco atrás do que entregamos na LifeFP. Existe hoje uma diferença lá fora entre os Financial Planners (planejadores financeiros) e os Life Planners (planejadores de vida). Ou você faz um, ou outro. Aqueles que buscam abordar os dois caminhos parecem trilhar um caminho solitário, sem muita direção. Quando digo que estamos na frente, o que quero dizer é que nesses primeiros 8 anos da LifeFP, conseguimos construir e enraizar nossa filosofia entre todos os Planejadores Life e nossos clientes. Quem entra hoje na LifeFP, seja Planejador ou cliente, sabe o que entregamos e qual o nosso foco e vontade em nos tornamos a nossa melhor versão e ensinar o mesmo para todos os clientes.

Buscamos e buscaremos sempre sermos os “diferentes”, os “foras da curva”. A tendência do mercado brasileiro é acompanhar o mercado americano – um mercado mais frio, calculista e cheio de números. Nosso desejo é continuar fazendo com que o planejamento financeiro continue sendo algo divertido e fora dos padrões comerciais. Esse é o nosso legado, esse é o nosso futuro.

 

Com carinho e confiança,

Leonardo Gomes, CFP®

PlanejadorLife – Partner