Segundo dados revelados pelo Sebrae de 2014, o Brasil conta com sete milhões de mulheres empresárias e desse total 70% tem ao menos um filho. Em 10 anos, o número de empreendedoras cresceu 21,4%. A pesquisa mostrou ainda que 66% das mulheres iniciam uma empresa após identificar uma oportunidade de mercado.

Para as mães que decidem apostar em uma nova carreira, a identificação com a vida pessoal faz com que elas invistam em um negócio que seja próximo a sua realidade. Produtos para crianças ou roupas para as grávidas estão entre os empreendimentos escolhidos. “Sempre trabalhei como engenheira têxtil, o empreendedorismo nunca passou pela minha cabeça. Porém, depois da gravidez e da dificuldade em encontrar peças para o período gestacional, a vontade de investir no próprio negócio só aumentou”, afirma Simone Papst, criadora da Miss Mammy, moda estante de Blumenau (SC). Hoje a marca já conta com 210 pontos de venda no país e, nesse ano aposta na linha infantil para meninas de três a 10 anos.

Para a fisioterapeuta Cláudia Wanderck, a ideia de ter o próprio negócio foi um reflexo do empreendedorismo da sua mãe – ela tinha apenas 10 anos quando Claudete Wanderck abriu a primeira Academia Long Life. Como os negócios da família eram voltados à área de saúde, resolveu estudar fisioterapia. Hoje, ela é diretora da Long Life Fisioterapia. “Acho que o empreendedorismo já está no sangue. Sempre tive orgulho de ver a minha mãe trabalhando e batalhando para que o negócio desse certo. Me espelho muito na determinação e independência dela.”

Quer saber mais sobre a participação da mulher na economia brasileira? Leia mais aqui:
14