Controle financeiro é importante mas convenhamos, é chato a beça.

A solução? Mais planejamento financeiro.

Planejamento e controle podem até parecer essencialmente iguais, mas são fundamentalmente muito diferentes.

Controle financeiro é sobre o que acontece hoje, enquanto que planejamento financeiro é acerca do que deve acontecer hoje para que o que você deseja que aconteça amanhã de fato venha a se realizar.

Controle é sobre o presente enquanto que o planejamento é sobre um futuro que te ajuda a enxergar melhor o presente.

Na Life temos o privilégio de conhecer muitos clientes que quando começam uma caminhada conosco, dizem que estão bem planejados pois controlam bem seus gastos… Respeitamos isso e até celebramos este importante traço junto com o cliente, mas com muito respeito e responsabilidade apresentamos a nossa visão para o que é ser planejado e o que é estar controlado.

Para esta diferença entre ser planejado e estar controlado ficar bem clara, permita-me começar por descrever o que é uma pessoa que faz um bom controle financeiro… É mais ou menos assim: Esta pessoa possui planilhas afiadíssimas. Nas colunas estão os meses do ano e nas linhas encontram-se os gastos e muitas vezes estes estão organizados em categorias e até sub-categorias, assim como fazemos na Life. Estas planilhas também contam com uma coluna que mostra o que fora previsto e outra que mostra o realizado.

No topo da planilha colocam-se as receitas e depois, logo abaixo vêm todos os gastos para, no final da planilha encontrarmos uma linha com “sobras” ou superavit / deficit. Este é o valor que é destinado (ou que deveria ser…) para os investimentos: O valor que sobra.

Algumas planilhas são tão bem montadas que desta tabela derivam-se gráficos, análises de tendência e todo aparato visual que facilite cada vez mais o controle… Acreditem! Conheci uma pessoa que a mais de 10 anos (10 anos!!) mantinha em uma planilha os preços de tudo que comprava no supermercado, varejão, açougue, padaria… Tudo detalhado ítem a ítem… E ainda comparava tudo isso com o índice de inflação pois o importante era saber o seu próprio índice de inflação. Era um belíssimo trabalho de controle financeiro. Belíssimo!

Mas e ai? Será que estas pessoas, altamente e competentemente bem controladas derivam de suas vidas financeiras um alto teor de qualidade de vida e de segurança pessoal e familiar?

Devo dizer que algumas sim… Mas a maioria, a grande maioria, testemunhava que aquilo tudo não fazia muito sentido não… Que fazia todo o controle pois estava acostumada, mas que nem sabia mais o motivo de se fazer o que estava sendo feito. Sabia o que estava fazendo, como estava fazendo, mas era raso o porque deste controle todo. E o que mais sinto em meu caminhar nesta atividade é que o sentimento mais comum dos controlados é justamente o… Por que? Por que será que eu faço tudo isso?…

E a resposta a este porque é encontrada através do caminho chamado planejamento financeiro. Como disse, planejamento e controle podem até parecer essencialmente iguais, mas são fundamentalmente muito diferentes. O que é uma pessoa planejada? Deixe-me descrever:

Esta pessoa possui, antes de uma planilha, um lugar (um sistema, um caderno, um arquivo em um editor de textos) no qual estão todos os seus sonhos e objetivos de vida bem formalizados, bem redigidos, com metas específicas, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporizadas. Neste mesmo documento estão também os sonhos de seu cônjuge e filhos… Se estes já estiverem em uma idade adequada para isso. E é este documento que serve como pilar central para a construção de um orçamento. Orçamento este que, através do planejamento, permite à esta pessoa enxergar quais são os investimentos que precisa fazer hoje, no presente, para a realização de seus sonhos no futuro. Repare: Em um orçamento planejado não sobra dinheiro… Pense bem! É como dizer que se gasta dinheiro com “outros” ou “diversos”. Em um orçamento planejado o investimento é uma linha do orçamento e não “um saldo” que de vez em quando acontece, de vez e quase sempre não… Em um orçamento planejado o seu futuro com qualidade de vida é integralmente contemplado e contextualizado ao ponto de lhe permitir enxergar em uma única peça, o orçamento, o que é prioridade no contexto de seus sonhos e objetivos de vida. Um orçamento planejado te permite dizer ao seu dinheiro o que ele deve render… E não me refiro a % ou a % de um benchmark, mas sim aos senhos sonhos e objetivos. Oras! Para que seve o dinheiro se não para te servir?

Em um orçamento planejado enxugar gastos é bem mais fácil pois você passa a enxergar os benefícios (sonhos realizados através de investimentos) com bem mais ênfase do que os custos. Eles existem… É! Talvez você terá que rever seus gastos, mas quando este exercício é feito com as lentes do planejamento da qualidade de vida, este fica bem mais prazeroso e realizável pois não é ninguém que lhe mostra o que deve ser feito, mas é você em união com a sua família que enxerga o que pode ser realizado. E isso é poderoso!

Controle e planejamento: Essencialmente iguais, mas fundamentalmente muito diferentes. Sabe como você pode perceber se você é controlado ou planejado: Faça uma profunda reflexão e tente responder: Estou realmente feliz, pleno e em contentamento em relação a minha vida financeira? Tenho um por que, um motivo, uma motivação para fazer o que faço e para derivar a renda que derivo fazendo o que eu faço? Convenhamos: Ser a pessoa mais rica do cemitério não deve ser o alvo de ninguém certo… Que diferença faz?… Se esta reflexão te fez olhar para o nada por mais de 5 segundos… Talvez você esteja controlado… Ou nem isso…Agora: Que tal viver uma vida com propósitos, com uma visão de futuro e com a segurança de um presente alinhado com este futuro, com um alvo e com um plano para este alvo? Que tal começar sonhando?

Pois todo sonho que você deixa no passado é um pouco do seu futuro que você acaba de perder.

Pense nisso!

Com carinho, André Novaes

 

Nota do Autor: Pessoas se preocupam demais com suas finanças pois se ocupam de menos com seus planos de vida. Esta é uma das premissas mais fortes do manifesto que escrevi com o objetivo de transformar a nossa nação de um país de boas intenções para um país intencional. Neste manifesto que você pode ler aqui eu explico o porque boas intenções não servem para nada e te apresento um roteiro prático com 5 Narrativas para você encontrar seu propósito e viver intencionalmente.