Aos 37 anos de idade eu decidi doar R$ 1.830.000! A decisão está tomada e isso não significa que eu tenha este dinheiro para doar… Mas farei mesmo assim.

Antes de eu expor o motivo e como farei, compartilho três premissas que acredito e qualifico como válidas:

  1. Eu acredito em estar edificado antes de edificar, a mesma lógica que é usada na instrução de segurança no caso de despressurização na cabine de um avião: “primeiro coloque a sua máscara de oxigênio e depois ajude a pessoa ao lado”.
  2. Reconheço a relevância na tese que diz que doar deve estar em seu planejamento financeiro pessoal, mas como um dos últimos passos, depois de:
    • Construir a sua base de segurança;
    • Quitar sua casa;
    • Livrar-se das dívidas;
    • Investir;
    • Ter um patrimônio razoável.
  3. Eu conheço investimentos e a força dos juros compostos.

 

O que me motiva a doar:

Deus tem sido extremamente generoso comigo e com minha família.

Eu já doei dinheiro no passado, bem pouco, é verdade, mas sempre me senti extremamente feliz quando doei – se você já doou, sabe do que falo.

Eu acredito que pessoas precisam de uma “força financeira”. Sei que não é tudo, mas reconheço que é importante emalguns contextos.

É uma maneira para eu praticar o desapego e também gerenciar o meu julgamento (mais sobre isso no como doarei R$ 1.830.000)

Tive esta ideia e simplesmente me pareceu a coisa certa a fazer. É bom seguir o instinto, mesmo para um cara planejado como eu.

Tenho um Plano de Vida que me permite isso.

Doar é uma expressão de minha melhor versão.

 

Como doarei R$ 1.830.000

Doarei durante 30 anos, todos os meses, consecutivamente.

Doarei R$ 1.000 por mês.

Doarei para diversas pessoas.

Todo mês eu e minha família (esposa e filhas) nos reuniremos para orar e escolher quem receberá a nossa oferta.

Não queremos saber sobre o uso do dinheiro (por isso gerenciarei meu julgamento), mas tenho o desejo de conhecer a história de vida da pessoa que receberá a oferta.

 

Como R$ 1.000 por mês por 30 anos viram 1.830.000?

Eu conheço investimentos e a força dos juros compostos.

R$ 1.000 por mês por 30 anos (360 meses) a um juros de 0,75% ao mês totalizam R$ 1.830.000.

Sei que estou “abrindo mão” de R$ 1.830.000 para o meu futuro, mas vejo mais valor nas reuniões mensais que farei com minha esposa e filhas para conversarmos sobre isso. Nestas conversas lembraremos do quanto Deus tem sido generoso conosco, ganharemos sensibilidade e compaixão ao contexto de vida dos outros e terei mais uma ferramenta para ensinar caráter para minhas filhas, enquanto lapido o meu de forma prática.

 

O que eu espero com isso:

3 coisas:

  1. Que pessoas façam um bom uso deste dinheiro
  2. Que eu e minha família tenhamos o hábito de nos “des-en-si-mes-mar-mos” como um estilo de vida.
  3. Que eu possa doar bem mais do que isso sem comprometer o meu plano de vida. Como? Começando desde já!

 

O meu convite:

O quê há em seu plano de vida mas que tem sido adiado para “o momento certo”? Deixe esta desculpa de lado e vá para a ação.

Eu encontrei uma maneira e uma agenda para colocar em prática um desejo que tinha: O meu Plano de Vida. Faça o mesmo! Comece hoje.

Viva o seu Plano de Vida!

É a maneira mais curta, rápida e eficiente de encontrar a SMV.

Com carinho, André

Nota do editor: Para conhecer mais sobre um roteiro para formar o seu Plano de Vida de forma intencional e “tirar do campo dos desejos” os seus sonhos mais bacanas (doar por ser um deles!), leia e assine o manifesto Uma Nação em Sua Melhor Versão.